Referendo popular italiano é anulado com menor índice de votação da história

Referendo popular italiano é anulado com menor índice de votação da história

20 de junho de 2022

O direito ao voto é resultado de uma luta travada há muitos anos. Foi graças à participação popular na política que inúmeras melhorias e progressos foram possíveis. Afinal, política é feita por e para a população. No caso da Itália, é feita também para todos os seus descentes, sejam àqueles que residem no país da bota ou não.

Infelizmente, o Referendo Revogatório do último dia 12 de junho, que tinha como principal objetivo votar a revogação de algumas leis da Justiça Italiana, contou com a mais baixa participação da história do país: menos de 20% da população enviou seus votos. Por conta disso, o Referendo foi anulado, já que necessita de quórum 50% + 1 para ter seus resultados validados.

Apesar da anulação, é importante lembrar da importância de, sempre que possível, exercer nossos direitos de cidadão em prol da Itália. “Nos dias que antecederam a votação, recebi muita procura dos ítalo-brasileiros para saber mais detalhes sobre o Referendo. Fiquei muito feliz em ver tantas pessoas interessadas em exercer seus direitos e deveres para com a política italiana”, comenta Renata Bueno, ex-deputada do Parlamento Italiano.  

Saiba mais sobre as 5 questões que estavam sendo abordadas no Referendo:

1. Veto à candidatura e perda de mandato para políticos condenados por crimes contra a administração pública.

2. Prisão preventiva.

3. Separação das carreiras dos magistrados.

4. Avaliação do trabalho dos magistrados.

5. Candidatura para composição do Conselho Superior de Magistratura. Além disso, no último domingo aconteceram também as eleições municipais em aproximadamente 1.000 cidades italianas, entre elas grandes centros urbanos, como Genova e Verona.